segunda-feira, 22 de Abril de 2013

SEXO VIRTUAL

Uma tecla para aqui, outra ali… A conversa vai ficando mais quente e, quando reparar, está praticamente na cama com um ser virtual desconhecido.

O sexo virtual é praticado de várias maneiras desde via chat ( msn, salas de conversas, skype ou outro qualquer talk sem video): onde duas pessoas trocam mensagens eróticas, simulando estarem juntas, descrevendo como estão vestidas ou até mesmo mentindo como estão "gostando" da experiência pela qual estão a passar. Em geral quem pratica, leva isto a sério e tem orgasmos apenas "teclando" com um estranho. E existe a via webcam: onde se vê o outro a tirar a roupa ou a encenar, enquanto se ouve por microfone, a sua respiração ofegante ou qualquer outro tipo de estimulo sexual. O uso da webcam tornou-se popular principalmente depois de sites estilo badoo por exemplo, onde possibilitam as pessoas a terem um contacto com outras de outro local qualquer, mantendo sempre a sua identidade em segredo, assistindo alguém às cegas.

A tecnologia encurta distâncias. Manter contacto com pessoas afastadas já não é problema, considerando a quantidade de softwares, páginas da web e aparelhos que permitem a interactividade via chat. Podemos nos relacionar com gente do outro lado do mundo, de forma até bem íntima. O avanço tecnológico está a tornar o sexo virtual cada vez mais corrente e acessível.  Fiz uma pequena pesquisa sobre o sexo virtual e poderão reparar que o site camzap.com, que oferece conversas com estranhos por webcam, aparece na lista dos 100 endereços mais populares de toda a internet, pesquisa esta divulgada pelo Google em 2010.

O sexo virtual, também faz com que milhares de pessoas, mundo afora consigam lucrar com a demanda de sexo pela web. Mais uma vez pesquisei sobre o assunto e reparei que têm um site de uma rapariga chamada Sofia, que é www.garotaparaprograma.com, onde esta oferece shows online, de strip e entre outras coisas. Esta rapariga, Sofia, antes de começar a trabalhar como striper virtual, tinha o fetiche de se exibir para a câmera, em conversas picantes com rapazes que conhecia na internet. Então, esta criou o seu próprio site de pagamento online e investiu no que faz de certa forma pagar as suas despesas.

Na minha opinião o sexo virtual pode ter coisas positivas como negativas. A prática do sexo virtual pode ser saudável, desde que seja feita dentro de certos limites e com alguns cuidados. Cada vez mais os homens e mulheres estão a fazer sexo por computador ou pelo telefone, mas será que vale mesmo a pena? Se for para quebrar a rotina, sim vale a pena, mas cuidado para não ficarem presos ao virtual e ficarem "travados" na vida real. Todos sabemos que muitas mulheres têm vergonha de se soltar na cama, mas a auto estima destas aumenta quando toca à internet, e-mail ou telefone, pois se tem-se mais seguras para liberar as suas fantasias,  neste aspecto o sexo virtual também se torna positivo pois contribui para que elas percebam que são desejadas. Não existe cobranças nem encanações com quilinhos a mais ou celulite, somente existe o prazer. O tocar-se enquanto conversa com alguém pelo computador é uma forma de conhecer a própria sexualidade, de saber que regiões o excitame como devem ser manipuladas para se chegar ao orgasmo, mas como é obvio, o passo seguinte deverá ser colocar isto em pratica no mundo real e não apenas virtual. Em relação aos aspectos negativos, acho que o mais frequente deve ser em relação às mulheres, pois a essência feminina é o romantismo, a ligação emocional. E viver uma experiência tão intima, mesmo com distância, pode criar algumas expectativas, inclusive a de namoro sério. É importante Ter clareza dos objectivos quando se procura este tipo de prazer com um desconhecido.  Também é fácil de se encantar pelo mundo perfeito do amor virtual e querer mais e mais, até se tornar uma obcessão, um vício tal como a droga, difícil de largar, pois perde-se o contacto com o mundo real e fecha-se nas fantasias do virtual. O sexo deve ser envolver cheiros, toque, trocas...por mais avançada que seja a tecnologia na minha opinião nada substitui o mundo real.

Acabo aqui dizendo que  é preciso ter uma grande noção de quando o sexo virtual está ser útil ou fútil. Quando ele aproxima duas pessoas, sendo apenas diversão, ou passando dos limites e entrando na dependência, como uma única fonte de prazer.




Autoria de,
Daniela Macário

Sem comentários:

Enviar um comentário